17 de jun de 2007

Metralhadora giratória


São muitas as coisas ruins sobre ontem à noite...


1. A produção do canal: tive a certa impressão que tudo estava sendo resolvido em cima da hora: câmeras sendo posicionadas, alambrados sendo colocados, fotógrafos posicionados na platéia com o show já começado (!), seguranças empurrando o alambrado pra cima dos nossos pés olhando de cara feia (como se nós o estivéssemos empurrando, quando na verdade ele estava é bambo), o câmera man e a câmera estacionados bem na nossa frente impedindo nossa visão, fotógrafos fora da área reservada nos empurrando com suas lentes e etc etc etc.... E tudo com um baita atraso, tivemos Caetano no palco só lá pelas 23:30h!


2. A acústica não ajudou muito, muitos ruídos ecoando.


3. Público farofa, teve sim! Berros, gritos estridentes e altíssimos, conversa durante as músicas, espertinhos no meio do show querendo ocupar o mesmo lugar que eu que cheguei antes das sete da noite e a debandada antes do final.


4. Público não pagante e não convidado.


5. As repetições são o que todos fãs do Caetano queremos...parecemos tão mirrados ontem. Contados nos meus dedos das mãos. Isso não faz sentido pra mim!


6. Pseudobis por tantas repetições (comento pelo desconforto nítido que gerou).


7. Achei Caetano e a banda um pouco duros, talvez insatisfeitos. Talvez pelas mesmas razões que eu, quem sabe?


8. A barreira do camarim, não a impossibilidade de contato, mas as meias-verdades que são contadas aos simples mortais como eu.


Bom mesmo (e sempre!) é ver e ouvir Caetano e banda em CÊ, que apesar de tantas questões "técnicas" continuou lindo, vigoroso e emocionante.Caetano merece mais que o Multishow, mais do que a Fundição pode oferecer hoje.Torçamos, ao contrário do que o afirmado, para que tenhamos mais CÊ no Rio de Janeiro. Sem gravações de DVD...

2 comentários:

R.R. disse...

Essa "barreira do camarim" é muito triste.

luz exata disse...

E como!